24 de fev de 2011

CARTA ABERTA À SOCIEDADE BAIANA


“Das ruas, das praças, quem disse que sumiu? Aqui está presente o Movimento Estudantil”. Inspirado neste grito que é entoado em todas mobilizações estudantis neste Brasil, nós, estudantes da Universidade do Estado da Bahia, campus V de Santo Antonio de Jesus, voltamos mais uma vez às ruas para denunciar o clima de convulsão acadêmica que encontra-se esta unidade educacional. Sabemos das sucessivas crises que vem passando as Universidades públicas no Brasil, e que aqui se encontra a UNEB. A crise da UNEB deve-se política de conciliação que a REItoria desta Universidade adota como medida diálogo com o governaDOR do Estado da Bahia, e o que é mais problemático, a demora na correção de problemas identificáveis, devido ao habitual descumprimento de regras inerentes a este governo.


A expansão irresponsável desta Universidade, ocorrida em cima de palanques para atender interesses sólidos de grupos políticos, acentuou ainda mais o sucateamento da UNEB. Mais cursos, mais estudantes, sem o aumento do número de docentes, sem o aumento do orçamento real da UNEB e sem a adequação de suas instalações estruturais-físicas. Este é o cenário de abandono da UNEB, uma universidade com déficit de professores/as, funcionários e estrutura física, sem política de permanência estudantil, sem residências e restaurantes universitários e com insignificantes verbas destinadas pelo governo de “todos os nós”.

Identificados estes problemas estruturais, os setores da UNEB comprometidos com a educação pública e de qualidade, mais precisamente estudantes e parcela de professores/as, saíram em defesa desta Universidade no ano de 2010. Após intensas lutas travadas por tais grupos organizados, algumas promessas de caráter eleitoreiro foram materializadas em falsas ações ou medidas paliativas que agora se refletem em uma crise mais crucial. Neste contexto encontra-se o CURSO de HISTÓRIA em um constante sangramento!

Ainda em 2010, após os intensos enfrentamentos que estudantes e professores/as fizeram ao Governo Wagner, reivindicando dentre outras pautas a contratação imediata de professores, o Estado da Bahia por meio da Secretaria de Educação e UNEB resolveram abrir uma SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFCADA para contratação de professores/as substitutos e visitantes via REDA por 24 meses prorrogáveis por igual período. Esta seleção destinou 3 (três) vagas para o campus de SAJ, sendo duas para o curso de história e uma para geografia, o que resolveria provisoriamente o término do semestre letivo que já havia sido iniciado. Diferentemente do esperado, uma vez que a seleção ocorreu em junho, o estado só cumpriu as etapas burocráticas em agosto e, após conclusão deste processo, os/as professores foram admitidos na Universidade conforme aprovação, convocação e nomeação publicadas no Diário Oficial do Estado da Bahia. A partir desta data os/as professores encontram-se trabalhando na UNEB, assumindo compromissos acadêmicos SEM RECEBER DINHEIRO e sem perspectiva de recebimento deste, e o que é mais problemático, sem contrato algum com o estado desde então e a confirmação da Secretaria de Educação do Estado que não vai fazer a contratação, cujo indeferimento do processo foi ratificado dia 16/02/2011 após o executivo estadual contigenciar as verbas públicas e adotar medidas de arrocho das universidades estaduais da Bahia.

Isso de maneira imediata configura pára além da questão trabalhista destes profissionais, a paralisação das atividades acadêmicas, sobretudo do CURSO de HISTÓRIA por falta de professores. Estima-se que 14 disciplinas das 36 disponíveis fiquem sem professor em 2011. Implica em dizer que os concluintes do curso terão que ficar mais um ano na Universidade para tentar se formar. Significa dizer que os/as estudantes que foram aprovados no recente concurso público efetivo para professores da educação básica do estado não poderão assumir seus cargos por atraso na formação. Constitui o ABORTO de sonhos de estudantes e professores/as comprometidos/as com a melhoria da educação pública deste país.

Assim, faz-se importante divulgar a sociedade baiana as condições em que encontra-se a Universidade de TODA a Bahia, mais precisamente o clima de convulsão acadêmica do CURSO de HISTÓRIA do campus universitário de Santo Antonio de Jesus devido a FALTA DE CONTRATAÇÃO DOS/AS PROFESSORES/AS aprovados/as em seleção pública, convocados, nomeados e empossados segundo a burocracia estatal, que se recusa reconhecer suas próprias medidas. Estamos em um estado democrático de direito?

Por estes motivos exigimos que o governaDOR deste estado CONTRATE OS/AS PROFESSORES/AS APROVADOS/AS e respeite a educação pública do estado. Não ao desmonte da educação!

“Mesmo que o rádio não toque, mesmo que a TV não mostre, aqui vamos nós...”

Campanha “UNEB: NENHUM PROFESSOR A MENOS” – Movimento Estudantil do Recôncavo – Diretório Acadêmico de História

Nenhum comentário:

Postar um comentário