27 de jul de 2011

A GREVE DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO CONTINUA

 Rosilene e Adriano - diretores do SEPE
A greve dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro continuará durante as férias de julho com o acampamento em frente a SEEDUC . Essa decisão foi tomada na última Assembléia do dia 15 de julho que ocorreu no acampamento com centenas de professores e funcionários presentes.
Na última negociação, dia 14/07, o governador Sérgio Cabral, representado pelo Presidente da Assembléia Legislativa, Deputado Estadual Paulo Melo, pelo Chefe do Gabinete Civil, Wilson Carlos e pelos Secretários de Educação Wilson Risolia e Planejamento, Sérgio Rui, mais uma vez não cumpriu com a promessa de apresentar até o dia 15/07 uma proposta concreta de reajuste. Buscando desmobilizar categoria, transferiu para o início de agosto a apresentação da proposta e pior, condicionado ao final da greve. Solicitou que o SEPE assinasse um documento que significava sua rendição, concordando com essa imposição. Nesta reunião somente apontou com o descongelamento do Plano de Carreira dos funcionários e a Regulamentação dos Animadores Culturais que ainda são migalhas para uma categoria que possui perdas salariais acumuladas há mais de 10 anos que já ultrapassam a 70%. Nos últimos 3 anos, a categoria teve 0% de reajuste. O piso salarial do Professor para a primeira fase do Ensino Fundamental é de R$ 680,00 e o funcionário da escola apenas R$ 433,00.
Sérgio Cabral aposta no cansaço da categoria, mas os Profissionais de Educação estão dando uma aula de resistência. No acampamento ocorrem atividades permanentes: aulas públicas, festa junina, sarau de poesias, esquetes teatrais, mostra de filmes, atividades lúdicas e infantis, além de panfletagens e atos contínuos. A maior lição é mostrar para o governo que esses profissionais não se curvam e continuam unidos na luta. A mobilização da categoria tem influenciado decisivamente para que a imprensa nas últimas semanas, tenha dado grande repercussão a uma série de denúncias de corrupção no governo. Somente nesse curto período do segundo mandato, Sérgio Cabral concedeu a seus amigos empresários e empreiteiros 26 mil isenções fiscais chegando a 50 bilhões de reais que deixam de ser investidos na Educação e na Saúde.
Teremos conselhos deliberativos ampliados hoje- dia 19/07-e dia 27 de julho que aprovará um calendário de atividades para além do acampamento, mantendo a mobilização e pressionando o governo para agilizar e antecipar as negociações. A próxima assembléia acontecerá no dia 03 de agosto que decidirá os novos rumos do movimento.
A Intersindical está presente nesta luta somando-se ao SEPE e aos Profissionais de Educação por uma Escola Pública de Qualidade para a população do Rio de Janeiro.
A GREVE CONTINUA!

Nenhum comentário:

Postar um comentário