15 de nov de 2013

NOVEMBRO NEGRO NO IFBA: JHONATAS DEBATE VIOLÊNCIA URBANA, JUVENTUDE NEGRA E POLÍTICAS PÚBLICAS

Na última segunda-feira (11), Jhonatas Monteiro (PSOL) participou da edição de 2013 do Novembro Negro do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA), no campus de Feira de Santana. Jhonatas discutiu com os estudantes o tema “Violência urbana, juventude negra e políticas públicas”. A professora Lívia Gozzer coordenou o debate e também participou como convidado, abordando o tema das ações afirmativas para a população negra, o professor Otto Agra Figueiredo do Departamento de Educação da UEFS, da Unidade de Organização e Desenvolvimento Comunitário da mesma instituição (UNDEC) e militante do movimento negro. Jhonatas, inicialmente, apontou o crescimento da violência na sociedade brasileira e em especial das formas de violência urbana. Nesse sentido, apontou que só entre 2008 e 2011 foram assassinadas mais pessoas (Acima de 200 mil) do que nos doze maiores conflitos do mundo entre 2004 e 2007 (Cerca de 170 mil). Jhonatas salientou que o crescimento de mais de 200% no número de assassinatos entre 1980 e 2011 teve como principal alvo a juventude do país, já que o aumento de mortes violentas entre jovens no mesmo período foi de 326%. Jhonatas apontou que, infelizmente, Feira de Santana também fez parte desse processo e aparece como um dos municípios mais violentos da Bahia mesmo em índices oficiais como o do “Pacto pela Vida”: aparece em 2º lugar nos chamados “Crimes Violentos Letais Intencionais” e a própria mídia local contabilizou mais de 170 mortes violentas apenas no primeiro semestre de 2013. Mais problemático ainda, segundo Jhonatas, é que essa violência atinge a juventude negra em específico e repete o mesmo processo de extermínio que marca o restante do país. Jhonatas mostrou que em Feira, com base em dados de 2010, a taxa de homicídios a cada 100 mil habitantes para jovens brancos é de 26,6 e de jovens negros sobe de modo assombroso para 151,4. Jhonatas criticou a “naturalização desses números, pois fazer isso é aceitar o absurdo que a vida de um jovem negro vale menos do que qualquer outro”. Dessa forma, chamou atenção para o processo histórico que produziu desigualdades raciais tão evidentes e, seguindo a mesma lógica, um forte racismo institucional na política de “segurança pública” que só contribui para o aumento da violência ao eleger o jovem negro como “suspeito” natural. Na contramão da crescente militarização da vida nas favelas e nas periferias, Jhonatas defendeu políticas públicas de segurança baseadas na desmilitarização e reeducação policial para eliminar a cultura racista, mas que segurança seja vista como garantia dos direitos negados. Assim, reafirmou que a violência em bairros como Queimadinha ou George Américo não se explica pela ausência de polícia, mas precariedade do direito à educação, saúde, saneamento, transporte público, lazer, cultura e, principalmente, pela incapacidade pública de oferecer “perspectiva de vida e visibilidade positiva” para a maioria da juventude. Como costumeiro nas atividades no IFBA, os estudantes também tiveram uma importante participação e levantaram dezenas de questionamentos sobre a política de cotas, a relação entre política e racismo, a eficácia dos programas governamentais voltados à juventude, dentre outros assuntos relacionados.


Ascom PSOL 

Nenhum comentário:

Postar um comentário