16 de abr de 2015

PSOL FEIRA PARTICIPA DE ATO CONTRA TERCEIRIZAÇÕES E AJUSTE FISCAL DO GOVERNO DILMA

A data 15 de abril ficou marcada como um dia de luta nacional contra as medidas do Estado de ataque à classe trabalhadora: nas diversas regiões, estados e cidades brasileiras, aquelas e aquelas que vivem do seu próprio trabalho foram às ruas contra o Projeto de Lei (PL) 4.330/2004, que amplia as terceirizações, assim como contra o ajuste fiscal de do governo federal, mediante as Medidas Provisórias (MPs) 664 e 665, contra o retrocesso representado pela direita e a favor de mais direitos. Em Feira de Santana partidos, coletivos políticos, entidades estudantis, sindicatos e movimentos sociais também estiveram nas ruas denunciado a tentativa do Estado de jogar o preço da crise sobre os ombros da maioria da população e preservar os interesses da minoria privilegiada que controla a economia brasileira.
Além das medidas a nível federal, como o PL 4330 e as Medidas Provisórias 664 e 665, as diversas ações do Estado, no nível estadual e municipal motivaram essa mobilização. Na Bahia, a gestão de Rui Costa já autorizou o corte de gastos em diversas áreas, como na Educação e Saúde, o que implicou na redução de mais de R$ 7 milhões do orçamento das Universidades Estaduais da Bahia (Uebas), em 2015. Em Feira, além da precarização cotidiana de serviços essenciais como a saúde pública, a gestão de José Ronaldo também quer empurrar um projeto elitista de Bus Rapid Transit (BRT) “goela abaixo” contado com a omissão da Câmara Municipal em debater a situação do transporte público. Não à toa, esse conjunto de questões apareceu no ato nas diversas palavras de ordem, bandeiras, cartazes e faixas empunhados, criticando os governos nos seus diversos níveis e exigindo mais direitos.
A militância do PSOL Feira participou ativamente do ato pelas ruas e avenidas do Centro, acompanhado desde a concentração em frente à prefeitura até o protesto na entrada da Câmara Municipal. Além da participação do PSOL, o ato contou com a destacada presença da Associação dos Docentes da UEFS (ADUFS), assim como a participação de trabalhadores e trabalhadoras de diversas categorias, com seus respectivos sindicatos ou oposições sindicais, estudantes secundaristas e universitários, movimentos pela questão fundiária (tanto urbana quanto rural), dentre outras.


Ascom PSOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário