1 de mai de 2015

1º DE MAIO: É TEMPO DE LUTA!

A luta por mais direitos continua fundamental, mas também a defesa ante as investidas do capital sobre as conquistas que já são realidade para a classe trabalhadora e que se encontram ameaçadas sob o argumento de uma “crise econômica” que não foi gerada por nós (trabalhadores e trabalhadoras).

No Brasil as marcas mais recentes dos ataques aos direitos dos trabalhadores são o Projeto de Lei 4330/2004, que amplia a chamada “terceirização”, e as Medidas Provisórias 664 e 665, medidas do “pacote de maldades” do governo Dilma (PT) que restringem direitos como o seguro desemprego para garantir o “ajuste fiscal” – Que nada mais é do que economizar no investimento público em direitos para viabilizar o repasse desses recursos para o mercado financeiro. Soma-se a isso um verdadeiro “tarifaço”: aumento generalizado nas contas de energia elétrica, nos transportes coletivos, na gasolina, dentre outros itens, que implicam diretamente no aumento do custo de vida para o povo.

O governo contribui para o aprofundamento do fosso da desigualdade social com a colaboração da direita tradicional (PMDB, PSDB, DEM, etc), que “posa pra foto” como “oposição” ou mesmo defensora dos trabalhadores, mas é aliada de toda hora do governo para levar as políticas sociais ao seu total esvaziamento de propósito e de financiamento público.

Sob o discurso da dificuldade orçamentária os governos (da esfera federal à municipal) cortam gastos para fazer “caixa” e pagar os juros da dívida pública. Tal dívida tem consumido por ano, em média, mais de 40% do orçamento do Estado brasileiro. Logo, dizer que faltam recursos é uma mentira, pois esta situação expressa nada mais do que a prioridade dos atuais governos em atender os interesses predominantes no mercado. Basta observar como os bancos, por exemplo, continuam com recordes de faturamento e enriquecendo seus proprietários em plena crise. Nesse sentido, nos perguntamos: crise para quem?

No plano estadual, o governo do PT vira as costas para o povo e corta recursos de áreas sociais, como a Educação, sob o mesmo discurso “orçamentário”. Além disso, a Bahia (com destaque para Salvador) ocupa os piores índices nacionais de desemprego e continuamos com uma política de segurança pública racista e disseminadora de mais violência.

No município, fomos “presenteados” no início do ano com um aumento de tarifa do transporte coletivo. Tal medida não se justifica senão para satisfazer os empresários do setor, visto que o atual Sistema Integrado de Transportes (SIT) presta um serviço extremamente desumano, com ônibus sucateados e muitos outros problemas que tornam a experiência da maioria dos trabalhadores feirenses ainda mais precária. Em Feira a precarização do trabalho é uma constante também no próprio setor público: basta observar o número de funcionários terceirizados, chamados pelo nome bonito de “cooperados”, nas áreas de Saúde e de Educação por exemplo.

Nesse quadro difícil para a classe trabalhadora, as centrais sindicais governistas, a exemplo da CUT e da CTB, vivenciam uma contradição permanente entre a sua defesa do governo e a pressão da base para que confrontem as medidas impopulares encaminhadas por esse mesmo governo. Não à toa, principalmente ao longo da última década, o 1° de maio desses setores se tornaram grandes festões com sorteio de brindes para o público em geral, destoando do real sentido de luta da data.

Por todas essas razões, reafirmamos sobre o 1º de maio: É tempo de luta! É tempo de perder a paciência! Fazer do 1° de maio um símbolo em sintonia com o atual contexto de crescimento das lutas populares é a nossa tarefa, enquanto mais um passo na defesa de uma sociedade emancipada da exploração capitalista.

PSOL de Feira de Santana


Nenhum comentário:

Postar um comentário