9 de jul de 2015

SETORIAL DE MULHERES CRITICA REJEIÇÃO, PELA CÂMARA, DE EMENDA QUE PREVIA COTA NO PARLAMENTO

O Setorial de Mulheres do PSOL, em nota divulgada nesta terça-feira (07), repudia a votação, na Câmara dos Deputados, que rejeitou a proposta que previa 10% das vagas para as mulheres na próxima Legislatura. Na ocasião, foram 293 votos a favor do texto, 101 contrários e 53 abstenções – mas por tratar-se de uma emenda constitucional seriam necessários no mínimo 308 votos para aprová-la.

Na avaliação das militantes do PSOL, essa votação representa mais um avanço da política conservadora cada vez mais em ascensão no Congresso Nacional. “O conservadorismo da maioria dos parlamentares da Câmara foi tão grande que, mesmo diante do recuo na emenda, que inicialmente previa cota de 30%, para 10% de reserva para mulheres, não houve acordo. Uma votação que contou com pronunciamentos machistas e absolutamente desrespeitosos, evidenciando a total falta de legitimidade desta instituição quanto à promoção da igualdade, da democracia e da garantia de direitos humanos”, afirma a nota.
O Setorial de Mulheres do partido repudia o resultado da votação e reafirma a luta por mais democracia.

Leia abaixo o texto completo.

Não há democracia sem a participação da mulher na política

Entre os tantos retrocessos promovidos pela Câmara dos Deputados durante a atropelada votação da Reforma Política, um dos mais aviltantes foi a rejeição a cotas para mulheres no Congresso, uma medida que visava combater a enorme disparidade de representação existente nos dias atuais.

No Brasil, 52% do eleitorado são de mulheres, mas nossa representação na Câmara não chega a 10%. Em um ranking de 188 países que considera a representação feminina no Parlamento feito pela União Interparlamentar, o Brasil ocupa hoje o posto número 156, ficando atrás de países onde as mulheres têm reconhecidamente menos direitos constitucionais que os homens.

Nos perguntamos “que democracia é esta”?

O conservadorismo da maioria dos parlamentares da Câmara foi tão grande que, mesmo diante do recuo na emenda, que inicialmente previa cota de 30%, para 10% de reserva para mulheres, não houve acordo. Uma votação que contou com pronunciamentos machistas e absolutamente desrespeitosos, evidenciando a total falta de legitimidade desta instituição quanto à promoção da igualdade, da democracia e da garantia de direitos humanos.

Repudiamos esse posicionamento e reafirmamos a nossa luta por mais democracia, que se dá no parlamento, e tem sido muito bem desempenhada pela Bancada do PSOL, mas principalmente nas ruas.

NÃO NOS CALARÃO!


Setorial de Mulheres do PSOL



Ascom PSOL Feira

Nenhum comentário:

Postar um comentário